sábado, 11 de abril de 2009

Eu sou um babaca ao cubo !

Ontem o dia começou bem caseiro. Era feriado e, como todo final de semana, meus pais viajando. Eu acordei às 8:00H meio indisposto, bebi um pouco d'água e voltei pra cama. Supreendentemente consegui cochilar por duas horas e às 10:00H levantei super bem. Olhei pela janela e o céu estava azul, com sol quase a pino, mas a vontade que me deu foi de ouvir música. Coloquei um Rhythm & Blues pra tocar e fiquei viajando pelo mundo islâmico do "Livreiro de Cabul". Isso durou horas...

À tarde eu estava conversando no MSN com a minha amiga (e ex-namorada) Juliana Kühne e ela me chamou pra dar uma volta na praia. Aceitei.
Passei pra buscá-la e seguimos pra Ipanema, que junto com o Leblon é a melhor praia do perímetro urbano. A gente acabou dando duas voltas completas na orla conversando sem parar. Falamos sobre várias coisas e minhas sinapses estavam super aceleradas.

Em determinado momento eu concluí que sou um tremendo babaca. Percebi que escrevendo esse diário eu estou indo na contramão da massa. As pessoas estão cada vez mais reprimidas, fechadas, contidas e eu me expondo dessa maneira, sem nenhuma reserva.
Apesar de alguns amigos acharem que escrevê-lo é uma artimanha para conquistar mulheres, o que acontece é justamente o contrário. Eu me tornei o estereótipo do marginal (no sentido denotativo) e a maior parte dos interesses se dirigem aos "normais", porque eles são o padrão social e o ser humano tem em sua essência uma busca por padrões.

À noite eu saí pra dançar com duas queridas amigas, Maíra e Tati. Acabamos indo em duas boates, porque na primeira era praticamente uma festa universitária com vinte pós-adolescentes e a nossa média de idade pesou...
Mas antes de trocar de casa noturna eu descobri que sou um babaca ao quadrado ! A realidade é que a "ogrice" masculina e o feminismo transformaram várias mulheres em seres inseguros e mal resolvidos iguais aos homens ! Salvaguardadas as diferenças, a massa feminina assumiu nas últimas décadas, com todo o direito e lógica, uma postura social superficial, desconfiada, agressiva e dantesca. Durante esse processo eu vivi três longos relacionamentos e nunca tinha sentido na pele a minha inabilidade nesse meio. Descobri que hoje sou freak em algumas atitudes e não tenho freak radar para mulheres loucas ! (risos)
Por isso o expoente quadrático...

Fomos pra MELT, pra mim um verdadeiro laboratório antropológico, onde eu posso ver ao vivo como é o comportamento da galera solteira da minha faixa etária. É simplesmente surreal ! Nem sei se vale a pena descrever as cenas, mas só pra se ter uma idéia, um maluco tentou dar um beijo-bote na Maíra pelas costas, sem falar nada; um outro puxou, agarrou e beijou uma moça que estava indo embora e um terceiro, que estava do meu lado, virou pra menina que tinha chamado-o pra dançar e disse: já conversamos demais, fui ! Isso porque ela ficou umas duas músicas dançando sorridente em frente ao "neanthertal", ele que nem um poste tentando beijá-la a qualquer custo e ela falando pra ele esperar um pouquinho. Isso é 10% do que eu vi !
Claro que tem o lado bom do lugar, senão eu não iria lá, mas no geral é um pouco tosco sim e eu não consigo me imaginar inserido nesse convívio bizarro. Isso seria o mesmo que desistir de mim, mas, por outro lado, minha falta de resiliência faz de mim um babaca ao cubo !

Minhas amigas me disseram que de certa forma eu sou ingênuo no meio de tanta malícia, porque uma coisa é saber que ela existe (e obviamente eu sempre soube), mas outra coisa completamente diferente é estar no meio dela. Chega a ser hilário um cara extrovertido, articulado e falador, criativo pra algumas coisas, que conhece pelo nome a senhora que atende no restaurante natureba onde ele almoça nos sábados de pós-graduação... ficar perdido e mudo no meio de um grupo de indivíduos quaisquer. Faça-me o favor ! Estou precisando de aulas particulares de neo-sociologia !

Mas babacas como eu também são felizes. Eu ajudo o próximo, tenho amigos que se importam comigo, um sobrinho lindo que dá continuidade à minha família e desejo o bem de todos.
A verdade é que eu sou um sonhador, que acredita antes de desacreditar, que confia antes de desconfiar, que valoriza bons valores e deseja um conto de fadas. Pelo visto, a minha única chance é me transformar no Shrek(*), príncipe por dentro, ogro por fora.
E apesar das recentes babaquices impulsivas do meu coração, uma hora a Fiona(*) acorda !


Saudações fraternais,

Fabio Machado.

(*) Shrek e Fiona são personagens cujos direitos autorais pertecem à DreamWorks

6 comentários:

Raquel Oliveira disse...

Perfeito.

Você descreveu o que vivi no sábado passado no evento da Skoll aqui em SP.
No outro dia me sentia, sei lá o que..
As vezes me sinto velha, por não acompanhar este mundo muito lokkkkooo!!!
Mas logo isso passa e vejo que não quero e nem vou perder a magia e a luz que criei pra mim.

Que venham as proximas noites "mágicas" das nossas vidas...

bjos Shrek (*) kkkk

Van Zanetti disse...

Olá.. achei seu blog no blog Desce mais uma.. e simplesmente, estou adorando o pouco que já li, esse texto representa muito bem o que anda passando nossa geração! rs
Abraços!
Van.

Ju Kühne disse...

Bom saber q não sou a única a me sentir assim, como no meio de uma "guerra"!!! Rs... minha impressão é que as relações tornaram-se completamente superficiais!!! Acho q por isso é tão comum a descrença no amor...

Gostei bastante do passeio na praia, do churros, da tapioca, e, principalmente, da companhia e da conversa (outra coisa q faz bastante falta nessa sociedade!!! Pessoas com conteúdo... rs.. tem muita gente "poster" por aí, né?!?! Diria q é oq mais tem...)!!!

Beijinhos!

Aninha disse...

Fabinho,
Posso te dar as aulas de Neo-sociologia se você quiser, porque fiz um mestrado de imersão nos últimos anos. E, voce sabe bem disso.

Mas, quem te disse que você (nós)temos que nos inserir nesse contexto?

Só precisamos saber como sobreviver apesar dele...
Você nunca vai ser o Shrek, já te falei isso!

Qto à tua Fiona, ela virá...
está logo ali, em "tão, tão distante". rsss
take it easy!!!

Larissa disse...

Não, você não é nada anormal, nem babaca. Eu mesmo já desisti de ir nas boates daqui. São todos iguais e eu não aguento! :P

Então, que você seja sempre assim 'anormal e babaca'. Hahahaha

Brigada pelo carinho, :*!

Célia Vaz disse...

Olha que eu estava procurando informações sobre ácido fórmico porque sou alérgica a formigas e encontrei um babaca super interessante. Coisas de internet. Estou adorando suas babaquices. Assim que tiver mais tempo continuarei a lê-las.
Um abraço!