quarta-feira, 4 de março de 2009

Momento Poesia: À espera de uma paixão

Hoje me perguntaram se fui eu que escrevi esse soneto, então cabe aqui uma retratação e uma explicação. Desculpem-me por não ter citado a autoria antes !

Ontem aconteceu algo raro nos dias de hoje: tive insônia.
Na verdade, eu estava cansado de estudar Economia e com sono, mas me peguei pensando no meu falecido tio e a mente começou a viajar, viajar, viajar e eu não consegui domir. Quando não agüentei mais houve um "shutdown".

Mas tem dia que os planos da vida são diferentes dos nossos... Comecei a sonhar com formigas subindo nas minhas pernas e de repente acordei e dei um salto da cama ! Acreditem, senti várias coceiras e quando acendi a luz lá estavam elas. Eram dois formigões que só podem ter vindo de alguma outra dimensão, porque não tinha uma explicação normal pra eles estarem ali.
Infelizmente um deles eu matei quando acordei, mas outro teve a sorte de ser conduzido em segurança para a varanda... Vá em paz e de preferência não me morda novamente, porque eu tenho alergia a ácido fórmico !
Insone mais uma vez, eu resolvi escrever e acabei psicografando essa poesia.

Aproveitei pra mudar uma linha agora...


Saudações fraternais,

Fabio Machado.


*****************************************************

Título: À espera de uma paixão
Autor: Fabio Machado

Se estou apaixonado é assim
Dou-me-lhe como um sonhador
Recubro de encantos e dor
O incólume trovador em mim

Beijo-te os lábios em sonho
Sem a tez poder sequer tocar
O subconsciente a imaginar
Que em teus braços enfronho

Venha cá meu grande amor
Seja minha enquanto for
Meu canal com o Criador

Em nosso reino unos seremos
Em vosso ninho repousaremos
E até a morte enfrentaremos

2 comentários:

Anônimo disse...

À espera de uma paixão mesmo?

Autor disse...

sempre ! ;-)

Por que o anonimato ?