domingo, 30 de novembro de 2008

Meu superego está de licença médica

Eis uma frase falsa: TODO MUNDO SE REPRIME ! Ela é inverídica porque eu não posso prová-la logicamente, mas nunca ouvi alguém dizer que satisfaz todos os seus instintos e desejos, muito pelo contrário, meus ouvidos são a prova de que quanto mais reprimida é uma pessoa, mais extraordinárias são as suas vontades...

A mente humana é muito complexa e acredito que não seja possível controlar a natureza dos nossos pensamentos. Podemos desligá-los, por exemplo, através da meditação, mas em condições normais eles brotam do id, livres, leves e soltos, até serem filtrados pelo superego.
Quantas vezes imaginamos o que seria melhor não imaginar e pior ainda, por que desejamos o indesejável ?
Posso ser irresponsável e dizer então que todos possuímos no mínimo dupla personalidade ! Alguns tentam minimizar ao máximo a diferença entre esses “eus”, mas acho difícil que eles se tornem um só... (risos)
Em suma, excetuando-se esses rebeldes mencionados acima, o resto da multidão possui um eu social e um eu marginal (a margem de). A regra do jogo é não deixar esse último tornar-se um marginal (infrator de algum tipo de lei).

Eu penso que equilibrar moral, razão e emoção, definindo uma prioridade não é nada fácil, mas em algum nível de consciência todos fazemos isso. Durante muito tempo a moral ocupou o posto mais alto no meu “ranking”, mas hoje é a emoção que está no topo, é ela que norteia minhas buscas pessoais. Por que ? Porque a relação entre o Homem, a moral e a razão é muito mais humana do que a sua relação com a emoção e o ser humano é filosoficamente imperfeito.
Até onde vai minha percepção, moral e razão são constructos basicamente humanos e estão à mercê de todas as nossas falhas.
Prefiro, portanto, confiar nas minhas emoções, que surgem de algum lugar desconhecido e não diagnosticado quanto à sua perfeição. Não é legal haver a possibilidade de que a fonte delas seja o Paraíso, o Céu, o Nirvana, Deus ?

Andei conversando com o meu eu marginal que, aliás, é psicanalista e psiquiatra, e ele resolveu dar uma licença para o eu social, que é engenheiro e poeta. Já que a essa altura do campeonato não dá mais pra ser amoral, eu vou fazer o possível pra não ser imoral, mas nesse período, por favor, não condenem o marginal, ele é inexperiente e não sabe o que faz !

Por falar nisso, eu hoje fui muito bem acompanhado almoçar no restaurante do Jorge Aragão, o Bossa Nossa. Ele fica na Estrada Coronel Pedro Correia, 1175, na Barra da Tijuca. Todo domingo eles têm um cardápio especial e hoje foi rodízio de moqueca com chopp liberado. O preço ? Pasmem ! R$35,00 por pessoa + 10%


Abraços fraternais,

Fabio Machado.

2 comentários:

Raquel Oliveira disse...

Eu tb almocei bem acompanhada no Bossa Nossa!!!

himelfarb disse...

bom.... só queria dizer para o seu "eu marginal" que ele pode chamar os amigos para as farras!!!rsrsrs
bjos