quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Marcas do tempo

Dá-me incerteza, peça-me esperança,
Que carregam o amanhã e a lembrança.
Tomo-lhe o medo, acolho-te como criança
Com braços e versos de temperança.

De nos percebem por fora,

imaginando o espaço entre o sujeito e o objeto,
vagando pelo labirinto de anseios e receios.
A dádiva do desencontro se faz, portanto,
onde o amor chorou suas dores e ardeu suas feridas.
E com vossas mãos enxugaremos as lágrimas e o sangue.

De olhamos para o alto,

enxergando o vazio escuro entre os pontos brilhantes,
tentando ir além dos porquês e senãos.
O mistério do encontro se refaz, entretanto,
onde a vida plantou suas sementes e jogou suas estrelas.
E com nossas mãos colheremos os frutos e os desejos.


Saudações fraternais,

Fabio Machado.

8 comentários:

Raquel Med Andrade disse...

Um contraponto mais feliz, mais otimista dos post anterior. Gostei!
Beijos

Daniela Yoko Taminato disse...

Tanto no estar lá e perceber tudo de fora como no estar por cá e olhar sempre para o alto reside em ambos o mistério: seja ele respondido pela imaginação ansiosa ou pelas tentativas de ir além dos porquês e senãos. Utopia mesmo são as certezas, que cá pra nós tirariam a graça toda da vida. Precisamos de mistérios tanto como de incertezas. Falou bonito! Eu gostei.

Raquel Oliveira disse...

Lindo e diferente do que já vi vo~cê escrevendo.
Só tenho algo para falar: As vezes algumas palavras completam....

bjos sumido!!!

Luana disse...

Oi, querido.
Não sabia que tinha posto esse link do "Marcas do tempo" no seu orkut. Grata surpresa! bjs
Luana

Larissa disse...

E agora colorido! Haha

Marina disse...

Lindo e colorido. Acho que fiquei viajando nas possibilidades de interpretação. Beijos.

[ rod ] ® disse...

És um senhor tão bonito... com a cara do meu filho... já diria Caetano em sua oração ao tempo...

De onde vermos o tempo acorda e se vinga em marcas.

Abs,






dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Joice Zaparolli disse...

Que bonito isso, menino.